Pavel Durov: “Resistência digital” deve continuar seu trabalho

Pavel Durov, fundador do Telegram, um dos mensageiros instantâneos mais populares do mundo, escreve que o movimento Resistência Digital não para de funcionar devido ao cancelamento do bloqueio de serviço na Federação Russa.

Novos desafios para desenvolvedores

Durov acredita que os desenvolvedores não devem perder a vigilância e está em plena "prontidão de combate".

"A situação política no mundo está se tornando cada vez mais imprevisível, mais e mais governos podem tentar bloquear aplicativos voltados à privacidade".

https://t.me/durov/117 

Ele admitiu que a equipe do Telegram estava pronta para proibir seus serviços na Rússia há dois anos. Eles fizeram todos os esforços para que os usuários pudessem ignorar confortavelmente os bloqueios por meio de proxies.

"Juntamos milhares de desenvolvedores russos que criaram seus próprios proxies para usuários do Telegram, organizando um movimento descentralizado chamado Resistência Digital", escreveu ele.

Popularidade do telegrama

As ações ativas dos desenvolvedores levaram ao fato de que o público de mensageiros dobrou nesses dois anos. Durov também elogiou a decisão das autoridades russas de se recusar a bloquear seu serviço. Ele expressou a esperança de que isso durasse o máximo possível.

A resistência continua

Mas, apesar dessa pequena vitória, o movimento Resistência Digital deve continuar seu trabalho. Durov escreveu que os desenvolvedores deveriam combater a censura em outros estados. Ele pediu aos desenvolvedores que envidem todos os esforços possíveis para garantir a liberdade de censura no Irã e na China.

Lembre-se de que na última quinta-feira, 18 de junho, o messenger Telegram voltou a estar disponível para os residentes da Federação Russa.